Palavras da Presidente


DENISE REIS - Presidente da CAPOSM


Palavras da Presidente da CAPOSM:

    Como disse Federico Garcia Lorca: "Todas as coisas têm o seu mistério, e a poesia é o mistério de todas as coisas."
    Trabalhar pela poesia  e desvendar seus mistérios é um privilegio. Participar de todas as diretorias da CAPOSM ao longo desses 13 anos e conviver com os amigos poetas é um "voar fora da asa" num céu pleno de luz. Presidir a Casa do Poeta de Santa Maria é uma felicidade ímpar e uma responsabilidade  imensa. 
    A CAPOSM é uma família unida pela poética e todos participam ativa e prazerosamente  das atividades literárias locais e regionais,  que são a cada dia mais frequentes . Através da poesia participamos da construção do mundo e da sociedade. A palavra é uma  arma  poderosa  a favor da paz, da ordem , da dignidade... A poesia é caminho para nossas  necessidades  de resistir e seguir na construção de um mundo melhor .
    A linguagem poética é a linguagem da vida. É através dela que falamos  ao mundo e aos seus viventes as importâncias  da alma,  as "desimportâncias"  do corpo. Quando a sociedade falha em produzir uma realidade aprazível , moral e justa, a poesia salva com sua capacidade de recriar , reciclar o mundo conforme as necessidades inerentes ao prazer , a felicidade, ao bem comum .
    Na poesia não há discriminação, nem crime. A poesia  sofre todas as dores e possui todas as curas. A poética é força que se move por si só e nos leva além do que supomos alcançar.  Enfim, a poesia é a língua materna da humanidade. É  onipotente e incorruptível.
       Sou feliz por amar e viver poesia todos os dias.
     Desejo que todos se oportunizem essa felicidade através da leitura.






      ====================

                  Origem 

(Denise Reis)

                     É  da raiz  de teus  horizontes
                     Que nascem os dias
                     E translúcidos voam
                     Para semear luz na terra nua.

                    É  do teu sangue que as cores afloram
                    Destilando silêncios,
                    Sufocando vozes, repousando fúrias
                    Entorpecendo saudades...

                    É dos teus olhos
                    Que florescem os segredos
                    E ardentes cobrem as noites
                    Cristalizadas  em  beijos.

                    É com teu indecifrável enlevo
                    Que os enigmas se explicam
                    Que a lucidez cinge saudades
                    E os sonhos   viram canções...

                    É  das tuas entrelinhas
                    Que a eternidade procede
                    Entre palavras baldias e fulminantes vírgulas
                    Sulcando orações ainda não murmuradas.

                 
                    É com tua vigorosa foice
                    Que os desejos ganham descanso
                    Estampando flores
                    Com futuros recém colhidos...

                     Sim, é com as lâminas do poema
                     Que  o tempo abre doces  caminhos
                     Por onde anônimas transitam

                     As eloquências súbitas do amar...

                                                        
Santa Maria, junho de 2015.

                                            DENISE REIS
                  - Presidente da Casa do Poeta de Santa Maria -